Soltar as Rédeas

8 janeiro 2014, Comentários 0

 

Quisera impedir o vento e

conter o estalar do pinheiro.

Que o pinheiro estale,

gire, parta, rasgue e

tombe!

 

Quisera conter o vento

em gentis cortinas, em

lençóis serenos!

Venha o vento e

dance

ameaçadoramente

o pinheiral.

 

Quisera impedir as ondas e

cuidar a casa, a canoa!

Há de dar altas notas o mar e

varrer e rolar e arrastar.

Há de fincar suas garras

bem longe e limpar

furioso a

beira, limpar!

 

Quisera subir paredes

abrir os braços,

conter no peito!

O mar dança em música

eterna.

Não queira conter o mar!

 

Quisera impedir o rio e

proteger a ponte,

a igreja a casa.

Que o rio cave, afunde,

arraste, espalhe, espraie…

 

Quisera conter o sangue,

o pulsar, o fluxo, a maré,

a conversa dos pinheiros.

O rio, o mar, o vento,

quisera aplacar o movimento!

 

Bobagem, é o balançar da vida,

agradeça,

não lamente!

Ache bom.

 

Quisera conter a pena

mas palavras nascem,

brotam, aos borbotões

precipitam,

se espatifam no papel

azuis no meio da noite.

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.