O cervo escondido (conto chinês)

5 junho 2013, Comentários 1
cervos

Um lenhador Cheng encontrou no campo um cervo assustado e o matou. Para evitar que outros o descobrissem, enterrou-o na floresta e o cobriu com folhas e ramos. Pouco tempo depois esqueceu onde ele o tinha escondido e acreditou que tudo o que tinha acontecido tinha sido um sonho. E passou a contá-lo como um sonho a todas as pessoas.

Entre os ouvintes, houve um que foi atrás do cervo escondido e, por fim, o encontrou. Ele o levou para casa e disse à esposa:

– Um lenhador sonhou que havia matado um cervo e que esquecera onde o havia escondido, e agora, eu o encontrei. Esse homem, sim, é que é um sonhador!

-Você deve ter sonhado que ouviu um lenhador que havia matado um cervo. Você realmente acha que houve um lenhador? Mas aqui está o cervo, seu sonho deve ser verdade, disse a mulher.

-Mesmo que eu tenha encontrado o cervo de um sonho, disse o marido, por quê se preocupar em descobrir quem sonhou?

Naquela noite, o lenhador voltou para casa, ainda pensando no cervo perdido e realmente sonhou, e no sonho sonhou onde ele tinha escondido o cervo e descobriu quem o tinha encontrado. Ao amanhecer, foi para casa do outro e encontrou o cervo. Ambos discutiram e foram a um juiz para resolver a questão. O juiz disse ao lenhador:

– Você realmente matou um cervo e pensou que era um sonho. Depois realmente sonhou e acreditou que era verdade. Outro encontrou o cervo e agora ele o disputa com você. No entanto a esposa dele pensa que ele sonhou que tinha encontrado um cervo que outro havia matado. Então, ninguém matou o cervo. Mas aqui está o cervo, o melhor é que o repartam.

O caso foi para o rei de Cheng e o rei de Cheng disse:

– E esse juiz não estará sonhando que reparte o cervo?

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.