O Bazar

2 maio 2013, Comentários 0

bazar de usados por dentro

A gente fica na vontade de contar o que aconteceu no bazar e vão passando os dias e a gente não conta! Tanta gente querendo ouvir e pedindo! Bom, a casa do Liceu está agora toda pintada de branco por dentro. A parte mais legal de dizer isso é que fizemos isso com nossas próprias mãos – e a gente se sente superpoderoso de concretizar estas ‘façanhas’!

2013-04-23 17.32.24

Acho que é a urbanidade moderna que faz isso com a gente: a gente está acostumado a se achar incapaz, a contratar outras pessoas para realizarem as coisas para a gente. Mas isso só faz é contribuir para provar minha teoria: ‘A proporção dos recursos é inversamente proporcional a criatividade e ao exercício da vontade’. Concorda?

DSCN1435[1]

Está bem, só demos conta da parte de dentro da casa. A verdade é que tendo tantos quartos e salas a casa pareceu interminável. Porém, a medida que passava a semana nós tínhamos mais e mais coragem de avançar e fomos capazes de calcular um cômodo por dia – e demos conta da meta.

E, claro, doía tudo! O braço, o pescoço, as pernas, as costas. Era até engraçado. E por vezes passamos do limite para cumprir o acordo. Mas se a gente não empurra, o limite sempre é curto demais, e isso é algo que nunca vou me esquecer – quem dá o limite é a nossa vontade, é a nossa consciência.

Limpamos a casa umas três vezes antes do bazar – mas a secura da rua de saibro era tanta que no domingo foi preciso limpar os vidros de novo, e os móveis, também.

Regi Bazar

No domingo a casa estava nua e às nove tínhamos somente o bazar de usados pronto. Nosso cálculo era de que apenas a garagem abrigaria toda a roupa e os objetos. Mas não foi assim. Precisamos do dobro do espaço! Inventamos cabides, suportes, baús de tantas que foram as doações.

Cintos EsterDSCN1448[1]Cada um executava uma ideia boa e eficiente para deixar mais e mais bonito e melhor de usar. As pessoas que estiveram lá levaram alguma coisa. Algumas deslumbradas com os preços, tão baixos que seu dinheiro parecia muito! E era essa a ideia, mesmo. Que as pessoas se sintam ricas com dez ou quinze reais no bolso. Que saiam com várias sacolas de boas roupas do nosso bazar enriquecendo sua vida e colaborando com a manutenção do nosso projeto.

Ana Cláudia BazarSaias Malka II

Camisetas Simone

Dentro da casa foram expostos livros de antroposofia, de teosofia, bonecas de todo o tamanho delicadas e bem feitas, bijuteria da mais delicada à mais original, camisetas com belas aplicações e saias maravilhosas de desenhos e padrões exclusivos, belíssimos.DSCN1496[1] Um banco e uma cadeira trançados à austríaca e à portuguesa faziam propaganda da Oficina de Trama em Palha do Liceu e do serviço de restauro que prestamos para arrecadar fundos para esta obra.

 

 

2013-04-29 21.13.59DSCN1456[1]

Havia uma sala onde as pessoas podiam receber massagens, em outra sala preparada para projeção de slides e filmes ficou uma máquina de escrever novinha. Foi muito interessante ver como a meninada se encantou de ver as letras impressas no papel no momento em que pressionavam as pesadas teclas da máquina. Mecanismo de escrever por alavancas! E os textos que tiveram oportunidade de escrever? Excelentes mesmo.

DSCN1449[1]

 

cesta

Chegou então a Nilza com uma cesta de verduras arranjada artisticamente que mais parecia um buquê! E foi isto o que ficou enfeitando a sala do liceu. Ninguém passava por ela sem parar para admirá-la e elogiar.

 

2013-04-28 10.30.38

2013-04-28 10.30.21

Daí ouvimos os sinos da igreja soarem alto e longamente e a professora de música, a Fernanda Fausto, propôs uma oficina para todos os que estavam lá pela manhã. Espaço pequeno para toda a gente que quis compartilhar este momento. Demos risadas da nossa hesitação em cantar, da nossa dificuldade de imitar os ritmos, da nossa falta de costume com a nossa própria musicalidade e admiramos a genialidade e a simplicidade da oficina. Foi um desafio e um grande prazer.
A grande cozinha do Liceu o pessoal brincava de chamar de ‘espaço multifuncional’. A gente tomou café da manhã, depois limpamos e ficaram frutas, mais tarde veio o almoço da Festa de São Marcos e da casa da avó do Liceu – claro, se é nosso filho tem avó! Foi um almoço enorme de todo mundo que estava lá.

DSCN1482[1]DSCN1488[1]

‘Mas tem oficina daqui a uma hora, pessoal!’ E lá fomos nós limpar tudo e tirar o que sobrava para que a cozinha se transformasse no espaço da aquarela. Gente que não tinha jamais feito aquarela entrou na dança. Gente que sempre faz compartilhando o trabalho com os outros. E foi uma joia! Trabalhos lindos atravessados por muito bom humor e belas surpresas.

E cada um que chegava era recebido e fazia o tour pela casa toda, e via todos os espaços e as exposições, e depois era levado ao fundo da casa que se abre para um terreno amplo que em breve verá os brotos de um pomar e uma horta. Adiante dele há um bosque que vicejará com árvores nativas e abrigará trabalhos de diversão e produção consciente. Mais além há uma área de plantio que vai passar pelo trabalho de conversão em roça orgânica.

Jô e Artur no bazar

No fim do dia o Mago Jardineiro veio nos visitar e anunciou o dia de sua oficina para dia 18 de maio.  O Bazar de Usados já está requisitado a abrir no meio da semana em regime  permanente! Há conversas sobre muitas atividades. As nossas mãos estão cheias de trabalho e estamos achando isso maravilhoso!

O que é o Liceu

É emocionante ver tanta gente interessada e trabalhando com tanto compromisso e ética com a humanidade e com o planeta. Que pena que não tenho imagens de todo mundo para colocar aqui. Mas a cada passo vou me lembrar dos tantos nomes – não esquecidos pelo coração muito agradecido. Este é o objetivo do Liceu Rudolf Steiner, afinal: promover o trabalho comprometido com o desenvolvimento superior do ser humano. O serviço é para todos: jovens, adultos e crianças que se sirvam do trabalho oferecido e que se encontre no seu caminho pessoal.

 

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.