Não há o que te segure!

6 outubro 2014, Comentários 0

la-llamadaVocê poderia se perguntar ‘mas o que estaria me segurando’? Você tem um computador na sua frente, um celular, um carro, mora em uma casa, está trabalhando e estuda quando quer. Tem saúde. Segurando?

Você não sofre de nenhuma dessas doenças assustadoras de quê você vê na sua família que alguns já morreram. Você não sofre de nenhuma dessas coisas que as pessoas tem no corpo, na mente, sei lá. Você está inteiro. Não está?

Talvez você seja dessas pessoas que não mostre mal algum, mas se for ver, lá dentro te rói um dente duro de insatisfação. Olhando bem você não está exatamente no lugar onde queria estar ou quem sabe ganhando o tanto que queria. Você não está rodeado das pessoas que gostaria, nem tem com as que estão próximas exatamente aquele relacionamento que você desejaria ter.

Ou talvez você se ressinta de que o mundo gire para um lado e você gostaria que fosse para outro, ou pelo menos, em outra velocidade. É isso! O caso é que você não está realmente satisfeito. E eu posso garantir que você tem razão. O mundo não está girando direito, nem com a velocidade adequada. Há coisas entravando, e outras, velozes demais! E as pessoas que te rodeiam, umas te olham com desprezo, outras com inveja, outras são tão indiferentes que chega ao ponto da irritação.

No fim, e embora você não tenha mesmo uma doença horripilante, te incomoda uma certa indisposição de estômago ao acordar, talvez uma sensibilidade no fígado, talvez uma rinite…

Talvez você tenha nascido no lugar errado, trabalhe no lugar errado, more no lugar errado. Talvez esteja errado o lugar para você ou você para o lugar. Isso pouco importa, porque o fato é que há um incômodo.

O caso é que estamos todos meio que na mornidão, vivendo o dia de hoje no modo ‘eu aguento’. E o fato de querermos outras coisas e outros lugares, o fato de querermos mais do que temos ou somos – e isso inclui um aumento de renda, mas não está restrito a isso de jeito nenhum.

De repente você argumenta que o tempo passa rápido demais. Em um átimo você sente que era na semana passada você ia terminar aquele livro, varrer a calçada, pintar o portão, trocar a casinha do cachorro, passear com a sua esposa. Mas o tempo foi engolido por não se sabe que força! De repente já era ontem. Já é hoje – e é de noite!

Tudo vai indo embora. Vai indo embora mesmo. O tempo e o espaço são restritos. Mas o fato mais honesto é que é você quem não está vivendo direito.

Acorde cedo, ganhe o seu dia pondo metas para cada hora. Determine mesmo que no fim de semana você vai pintar, e pinte o portão. E haverá um dia em que você vai dizer que quer ficar derrubado em uma rede o dia todo, comendo pipoca e olhando as crianças – seus filhos – brincar no quintal. Você pode. Mas cada coisa que você faz na sua vida – tarefas cumpridas pela tua vontade – tudo isso é vida que você ganha. É tempo que não se foi. Que não se afundou no ralo do passado. É o único modo de vencer o vazio de uma vida oca. Fazer a vida valer a pena – e correr para onde você quer que ela corra.

Você é senhor de cada movimento, de cada decisão, de cada hora. Tudo te pertence – como sempre te pertenceu. Você querendo, não há o que te segure. Não se segure! Não permita se prender nas garras da preguiça e do hábito de ser vítima da vida.

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.