Dê o Próximo Passo!

25 julho 2014, Comentários 0

Man's_head_(self_portrait)_1963_Lucian_FreudHá agora o telefone que não toca, nenhuma mensagem, nada no computador, ninguém bate na sua porta, não há cartas, teus pais, irmãos, filhos estão todos ocupados com seus serviços na vida e você está também, pelo menos por fora, ocupado com o seu serviço de sempre.

“A vida acontece no dia de hoje!” Você diz isso a si mesmo, resoluto. Nada há de te tirar o foco. Nada há de te desviar a atenção do rame-rame da vida diária. Há contas a pagar, há as crianças que precisam de você em casa, há os contratos, os compromissos, a palavra dada e não se pode voltar atrás…

Você cumpre seu papel diário. Você é referência de disciplina, de ordem, de determinação e persistência: Há mais de 30 anos você vem construindo este caminho. E você se orgulha de ter invejosos e admiradores seus. É parte do caminho de se construir no mundo. Você é um modelo!

Modelo de quê?

Debaixo da gravata, apertado no colarinho, no cinto de couro brilhante, apertado nos seus sapatos há algo perturbando. Por baixo das ordens bem dadas, por baixo dos apertos de mão, da cordialidade nos encontros, tem uma fervura cada dia mais difícil de aplacar.

Só você sabe dos seus talentos e eles transbordam destes limites do seu trabalho e do mundo que te cerca. Você sabe o que poderia fazer, onde poderia ir, que diferenças poderia de fato imprimir no mundo – mais do que garantir que seus filhos herdem uma empresa. Você poderia deixar trilhas para novos sonhos, poderia permitir que cada um no mundo se encaminhasse para o seu destino real, se encontrasse consigo mesmo, com suas aspirações!

Mas tem que levantar e ir ao trabalho. Não dá para sair disso. É muito risco.

Risco de quê? De morrer? De perder seus admiradores? De perder o respeito que você garantiu nestes anos de lealdade? Está bem. Não precisamos imaginar que você jogou fora sua vida, que não fez nada e que está se enganando. Mas até agora acho que você estava só treinando.

Além de conquistar um lugar ao sol, além de ser o esteio de uma família, além de pagar as contas e ser respeitado, tem alguma coisa a mais  na vida que cada um de nós está buscando.

Buscando às vezes em silêncio. Buscando sem querer admitir para si mesmo que ganhar bem e ter uma esposa e filhos ou marido não é o suficiente. Não. Não é para você abandonar nada! Mas admita para si mesmo – você já chegou a sua meta da juventude. Não sobrou mais nada a fazer. Ou sobrou?

Nada mais vai te tirar o que você conquistou. No entanto, não se trata das conquistas que você consegue ostentar. Como é que anda a fervura aí dentro? O que é que te rói e que não te permite dormir e ir trabalhar com tranquilidade?

Não há mais contas que superem teu orçamento. Teus filhos estão encaminhados. O que te move hoje?

Qual é a meta para a pessoa que você é hoje?

Olhe a sua volta, um pouco e compare com o que há dentro de você. Você está bem aí? Ou você, como eu, vai ter que fazer um esforço de coragem nova, arrancar a raiz dos pés com as forças de um movimento novo para dar um novo passo?

É tão difícil, mas depois de um certo ponto em que se chega justamente onde se queria, onde se quis toda a vida, você para satisfeito e, sem mais, tudo o que tinha significado parece que então era só treino para o movimento que vem agora. Coragem. Dê o próximo passo!

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.