A Orquestra

29 outubro 2013, Comentários 0

Blanchard_Jacques_-_Saint_Cecilia_-_17th_c-1A gente vive misturado. Sai pela vida catando o caminho, erra muito, tropeça. Lá pelas tantas se encanta com uma vereda e vai com ela descobrindo, se transformando. A missão da gente na vida é que encontra a gente pelo caminho e a gente se sente o mais afortunado dos seres. Finalmente livre e feliz.

Eu vivo satisfeita, um pouco acelerada para uma vida tão bonita e tão boa. Podia parar mais, olhar mais. No meio dessa minha experiência do ‘livre e feliz’, eu bem distraída, fui achada e convidada a fazer parte da orquestra.

Eu explico: cada pessoa no mundo vai achando gente para trabalhar na sua orquestra. Uns de perto, uns de longe, uns frequentes, outros de quando em quando. Chegamos a esquecer do instrumento quando ele aparece vibrando no meio da melodia. Uns instrumentos vão tocar alto, fazer solo, bater forte. Outros vão ser incorporados a um mar de instrumentos semelhantes, que – não se engane! não deixam nunca de ter valor e importância. Alguns tem um momento e somem. Deixaram lá um bonito. Tudo pela harmonia, tudo pela completude. Cada um vai chamando as pessoas para fazer parte da sua orquestra e nela contribuírem dentro da comprida biografia.

E é preciso estar afinado, ir afinando, é preciso ser cuidadoso, é preciso obedecer à Regência. Tem que se esforçar por isso. Eu me esforço.

Desejo ardentemente ter contribuido com o melhor, com o que era necessário e com o que era bom. Muito agradecida por poder fazer parte da sua vida, da sua orquestra, por ter sido escolhida e acolhida entre os outros instrumentos.

Você, também, tem sido um instrumento de som particular e belíssimo na minha orquestra. Parabéns!

Deriana Miranda

Professora há 27 anos, 13 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, frequentou o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf e do Jardim Limão Rosa, uma iniciativa Waldorf, no qual é atualmente professora.