A melhor amiga

22 fevereiro 2013, Comentários 3

amigas (1)A minha melhor amiga hoje passou na calçada na minha frente. O que é mais estranho: já não sei mais o que ela faz a cada cinco minutos como no colégio. Não tenho ideia da sua rotina atualmente. Para ser mais clara, não sei seu telefone decorado. Ela passou na frente do meu carro quando eu saía do estacionamento do supermercado, estava de lado, mas eu acho que ouvi sua voz e disse “Oi Ana!” Ela se virou e disse: “Oi, tudo bem?”. Nos mandamos beijinhos com as mãos e tchau. Parecia que nunca tinha ficado longe dela. Sorrimos, recebi um abraço no coração.

Daí minha filha mais velha, que estava comigo perguntou quem era ela. Eu disse: “Minha melhor amiga!” E minha filha: “Como você sabia que era ela?” Nossa, como a gente não reconhece uma melhor amiga! Foi da sexta até a oitava série. E depois, por uma grande sorte (minha, pelo menos), nós duas entramos no curso de magistério do Instituto de Educação do Paraná. Ou seja, eu passei praticamente seis anos da minha vida conhecendo aquela pessoa. Foi uma delícia, aproveitei muito, ri tanto, dei muitas gargalhadas.

Como é bom ter amigos! Como foi gostoso passar tanto tempo ao lado dela e depois de uma outra quantidade de amigas que também se tornaram melhores amigas, junto com a gente. Sei que posso ligar para ela quando eu quiser, aliás, sempre que preciso de uma ajuda profissional eu acabo ligando para ela mesmo. Fazemos até reuniões, mas, e daí? O bom mesmo é ser chamada de ‘Regi’, porque ela nunca me chama de ‘professora Regiana’.

Queria conhecer todas as pessoas do mundo desse jeito. Conviver, me apaixonar por elas e sermos livres para a vida inteira. Afinal, cada um escolhe o melhor para si. Como é bom eu saber que ela também é extremamente feliz profissionalmente! Será que eu podia ser a melhor amiga de todas as minhas outras colegas de magistério? Podia, sim. Eu lembro delas, de todas as bagunças que nós fazíamos, das nossas revoluções na escola, nossa sala tinha um fantástico humor e com isso fui agraciada na minha adolescência.

Como é possível ser tão intenso o respeitar e o reconhecer o outro a ponto de amá-lo para sempre? Sem nunca mais se ver? Ou se vendo pouco, como uma outra amiga minha que, no ano passado, morava bem no caminho para minha casa. Só de olhar a casa dela eu já sentia alegria.

Porque foram momentos sinceros, nós estávamos sem barreiras, as experiências que surgiam eram compartilhadas, eram debatidas. As escolhas eram bem diferentes, as histórias de vida eram muitas e assim enriquecemos. Sempre que penso em uma escola para as minhas filhas penso muito mais no que vai haver socialmente do que cognitivamente.

Na verdade, em volta da gente sempre tem um monte de amigos e de melhores amigos, de potenciais amigos nossos se dermos oportunidade. Estas pessoas já são melhores amigos de outras pessoas, que nos são desconhecidas, mas têm qualidades por que são muito amadas por seus melhores amigos e familiares.

Com minhas melhores amigas eu vou rindo da vida, ouço novidades, damos gargalhadas coletivas que são curadoras. Sou muito agradecida, com algumas jantei essa semana, outras sempre vejo em rede social. Como eu desejo ter a capacidade de ir amando mais e mais gente. As que estão nesse país e as que moram fora dele.

Desejo que essa semana a gente possa conviver com alegria, porque dentro da pessoa que está super próxima de você existe a amizade. Da amizade brota o amor, e é só disso que a gente precisa.

Regiana Miranda

Professora de artes e trabalhos manuais e co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner de educação para a autonomia de crianças, adolescentes, adultos e idosos. Regiana acredita no amor como fonte transformadora da vida e inspira pessoas a se tornarem mais conscientes do seu próprio amor para viverem mais felizes e de forma mais autêntica.

  • Ana Maria Miranda

    O exercício do Amor fica extremamente facilitado pelos laços harmonioso da Amizade.Se esses laços forem cortados pela desarmonia, fica muito difícil reatar e amar novamente. Somente nos espelhando nos grandes exemplos de Amor podemos conseguir isso.

  • Ana

    Quando ouvi aquele “Oi, Ana!” eu sabia que era você antes mesmo de me virar para olhar… As amizades verdadeiras são para sempre, não tenho dúvidas disso. E sabe o que eu acho mais bacana? Não importa quanto tempo a gente fique sem se encontrar, a cada vez que começamos uma conversa parece que tínhamos nos visto ontem… E não tem chance de faltar assunto! rs Além do imenso querer bem que nos une! Te amo para sempre, amiga! Te amo de mais! Até daqui a pouco… 🙂

    • Regiana Miranda

      ah! que maravilha toda essa doçura na vida! Até daqui a pouco, beijos